Thubten Phuntsog Gephel Ling

Estrada Nacional 253 Herdade Corte Pereiro

7580-706 Santa Susana - Alcácer do Sal

Coord: 38.486402,-8.359611

CET Pendê Ling

Rua Fernando Assis Pacheco, 120

2765-316 São João do Estoril - Lisboa

Email: info@guhyamantrika.org

Call: 26 510 21 62 / 91 213 93 53

  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram

Doações

Ao doar contribui para a preservação do centro de retiros e mosteiro, da comunidade monástica e ngakpa e para o desenvolvimento dos nossos projectos. Poderá doar através do paypal, transferência bancária ou contactar-nos para doações de outras formas.

Lama Residente

Lama Gyurme

Lama Residente da Comunidade Guhya Mantrika

 

Nasceu em Maio de 1968, Ano do Macaco ou Ano do Guru Rinpoché, como Pedro Alexandre Paiva, em Portugal, numa família de classe média. Recebeu uma educação normal, com ênfase em valores de ética social e intervenção na sociedade. As questões filosóficas, sociológicas e também artísticas fizeram igualmente parte do seu seio familiar.

 

Com muito tenra idade, ainda antes da adolescência, viria a interessar-se pelos Ensinamentos do Dharma após ter meramente visto uma imagem de Buda. Porém, devido à situação do Budismo Tibetano no Ocidente, seria apenas mais tarde que faria as primeiras leituras sérias sobre a Tradição Espiritual Tibetana.

 

Agora, o Lama Gyurme, conta com mais de vinte anos de estudo e prática do Dharma sobre a direcção de vários Rinpochés e Lamas (Mestres Espirituais) das várias Tradições espirituais do Tibete.

 

Entre os seus Lamas e Amigos Espirituais destacam-se o Lama Urgyen Chökyi Dorje, cuja infinita bondade lhe proporciona inúmeras instruções e empossamentos, inclusive a oportunidade de recebe-los de Mestres e Detentores de Linhagem ao apresentá-lo a Lamas e Rinpochés como Tulku Chökyi Nyingma Rinpoché, Kyabje Chokling Rinpoché, Kyabje Pema Kalsang Rinpoché, Kyabje Khoochen Rinpoché e Lingla Tulku Rinpoché.

 

Gostaríamos ainda de destacar a incomparável bondade e orientação de Tulku Sherab Dorje do qual; o Lama, tem vindo a receber instruções, transmissões e empossamentos e que graciosamente lhe concebe a possibilidade de conhecer e receber o néctar do Dharma de Mestres como Tulku Hung Kar Dorje Rinpoché, Kyabje Garchen Rinpoché e Sangyum Kamala Rinpoché, a consorte de Kyabje Chatral Rinpoché.

 

Entre os seus Lamas e Guias Espirituais não podemos deixar de realçar o suporte, colaboração, instrução e transmissão do Tulku Dakpa Rinpoché; que, entre muitas outras acções iluminadas da sua bondade, lhe possibilitou receber empossamentos e transmissões de Kyabje Taklung Tsetrul Rinpoché.

 

Não poderiamos deixar de mencionar Lamas que bondosamente lhe concederam empossamentos, transmissões e instruções como Ranyak Patrul Rinpoché, Lama Wangdor de Tsopema e Khenpo Negi. De Chogyal Namkhai Norbu Rinpoché recebeu muitos ensinamentos e transmissões, tendo ainda recebido transmissões e permissões de prática de Tenzin Wangyal Rinpoché e Geshe Yongdong Rinpoché.

 

De alguns dos Mestres da «velha guarda» e grandes detentores de Linhagem, recebeu preciosos empossamentos e bênçãos, não podendo deixar de mencionar: Kyabje Trulshik Rinpoché, Kyabje Koochen Rinpoché, Kyabje Taklung Tsetrul Rinpoché, Kyabje Pema Kalsang Rinpoché e Kyabje Garchen Rinpoché.

 

Após múltiplos anos de estudo e prática do Dharma, o então Gyurme Ngondrup (Pedro Paiva), foi incentivado por alguns dos seus Mestres e amigos, nomeadamente pelo Lama Urgyen Chökyi Dorje, Lingla Rinpoché e Tulku Dakpa Rinpoché entre outros, a partilhar os seus conhecimentos deste caminho de sabedoria e compaixão.

 

A sua apresentação da Mensagem do Buda caracteriza-se por uma linguagem directa, simples, clara e humorada, que procura sobretudo o entendimento dos Ensinamentos, de um modo prático, não dogmático e não sectário.

 

Foi após vários anos de ensino e partilha dos Ensinamentos do Buda, e uma estreita relação com Acharya Khenpo Negi, Mestre nas Linhagens Kagyu e Nyingma, que recebeu deste a instrução de assumir as funções de um Lama.

 

Diante da assembleia do Sangha exigiu que este passasse a usar o título de Lama Gyurme na sua actividade Dharmica. O assunto foi então levado à consideração do Conselheiro e Orientador Espiritual da Comunidade Guhya Mantrika, o Lama Urgyen Chödor, que se regozijou na decisão do Khenpo e manifestou o seu apreço e concordância.

 

A Comunidade Guhya Mantrika tem assim uma condição auspiciosa, de possuir um Lama residente, capaz de expressar na língua Lusa os Ensinamentos do Dharma. Satisfazendo assim, uma curiosa aspiração de Geshe Kunchok Wöser, feita em 2007, de que Portugal pudesse vir a usufruir de um Lama português, capaz de entender a língua, a cultura e mentalidade nacional para melhor poder comunicar a Mensagem do Buda.